Blog

Dermatologia
27 dez

Dezembro Laranja: suas pintas merecem atenção


Como identificar se as suas pintas representam algum risco à sua saúde


 

O mês de dezembro é marcado pela campanha #DezembroLaranja que tem como objetivo a conscientização sobre a importância da prevenção e do conhecimento sobre o câncer de pele. Você sabia que a doença é dividida em três tipos? O carcinoma basocelular, o espinocelular e o melanoma.

 

• Carcinoma basocelular: esse tipo de câncer é mais comum em regiões do corpo expostas constantemente ao sol como: rosto, orelha, pescoço, couro cabeludo, ombros e costas, afeta as células basais (as mais profundas da epiderme). As lesões podem ser confundidas com outras doenças como eczemas e psoríases, geralmente se manifesta como uma mancha avermelha, com uma crosta e fácil sangramento.

 

• Carcinoma Espinocelular: é o segundo tipo mais comum de câncer de pele, ocorre na camada mais superior da pele, as células escamosas, também é mais frequente em áreas expostas ao sol e em homens. As feridas costumam ter uma coloração avermelhada (lembra machucados ou hematomas que não cicatrizaram ainda) ou uma aparência similar as verrugas.

 

• Melanoma: o tipo mais raro de câncer, com risco de metástase, porém se diagnosticado precocemente as chances de cura são grandes. Esse tipo afeta os melanócitos (as células que produzem a melanina), se manifesta através de pintas castanhas que mudam de cor, formato e tamanho, podem sangrar. Inicialmente afetam somente a camada mais superficial da derme, e podem avançar para as mais profundas até alcançar outros órgãos além da pele.

 


 

Agora que já explicamos os tipos de cânceres, vamos entender melhor os primeiros sintomas a se atentar para procurar um médico dermatologista. Muitas lesões pré-cancerosas se assemelham a pintas, manchas ou machucados. Caso elas comecem a sangrar, coçar, escamar, arder, mudar de tamanho, formato, cor ou textura, procure um especialista.

 

Existe uma regra chamada “Regra ABCDE”, divulgada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), que diz:

 

•  A de assimetria: quanto mais assimétrica for uma mancha ou pinta, maiores são os riscos
•  B de bordas: bordas irregulares
•  C de cor: pintas com mais de uma cor e com tons pretos devem ser investigadas
•  D de diâmetro: lesões com mais de 5 mm devem ser avaliadas pelo médico
•  E de evolução: mudanças na cor, tamanho ou forma de uma lesão ou pinta devem ser relatadas ao dermatologista

 

Crédito da imagem: Grupo Brasileiro de Melanoma/ gbm.org.br

 


 

Por isso é importante estar sempre atento as suas pintinhas ou sinais na pele, qualquer alteração que cause dor ou sangramento, não hesite em procurar um médico especialista para obter diagnóstico preciso e assim entender o seu caso.